Ressonâncias Magnéticas Chocantes Mostram Impacto do Amor Materno no Tamanho Cerebral de uma Criança

07-08-2015 16:32

Uma comparação chocante de ressonâncias dos cérebros de crianças de dois e três anos revela novas evidências do forte impacto que o amor da mãe tem no desenvolvimento cerebral da criança.

As imagens arrepiantes revelam que o cérebro à esquerda, que pertence a uma criança “normal” de 3 anos de idade, é significativamente maior e contém menos pontos e áreas escuras esbatidas que o cérebro à direita, que pertence a uma criança de 3 anos que sofreu extrema negligência.

Neurologistas dizem que as imagens mais recentes providenciam mais evidências de que o modo como as crianças são tratadas nos seus primeiros anos é importante não só para o desenvolvimento emocional da criança, mas também ao determinar o tamanho dos seus cérebros.

Especialistas dizem que a diferença no tamanho nos dois cérebros é primeiramente causada pela diferença na forma como cada criança é tratada pelas suas mães.

Enquanto que, à primeira vista, as imagens possam indicar que a criança com o cérebro à direita possa ter sofrido um acidente ou doença severa, os neurologistas dizem que a verdade é que a criança com o cérebro encolhido foi negligenciada e abusada pela mãe, e que a criança com o cérebro maior e mais desenvolvido foi criada num ambiente afetuoso e de suporte e foi cuidada pela sua mãe, de acordo com o Sunday Telegraph.

Pesquisadores referiram ao jornal britânico que a imagem do cérebro à direita mostra que a criança não tem as áreas fundamentais que estão presentes na criança com o cérebro à esquerda.

Os mesmos dizem que a criança à esquerda será mais inteligente e mais provavelmente terá melhores habilidades sociais para empatizar com outros quando comparada com a criança à direita.

Por outro lado, a criança com o cérebro mais pequeno, à direita, será mais propensa a tornar-se dependente de drogas, envolvida em crimes violentos, estar desempregada e dependente de subsídios do governo no futuro. Mais, a criança com o cérebro encolhido estará mais propensa a desenvolver perturbações mentais e outros problemas relacionados com a saúde.

O Professor Allan Schore da Universidade da Califórnia, Los Angeles (UCLA), refere que, nos dois primeiros anos, os bebés dependem de um forte laço com as suas mães para um desenvolvimento cerebral saudável.

“O desenvolvimento dos circuitos cerebrais depende disso”, disse, acrescentando que, por 80% das células do cérebro crescerem nos primeiros dois anos de vida, problemas nesse desenvolvimento podem afetar as crianças para o resto das suas vidas.

Para além disso, pesquisadores referem que, quanto mais severa for a negligência da mãe, mais pronunciado será o dano cerebral. Dizem ainda que o processo de negligência infantil é um ciclo vicioso porque os pais de uma criança negligenciada foram também negligenciados pelos seus pais e não têm um cérebro completamente desenvolvido.

No entanto, pesquisas passadas têm mostrado que o ciclo pode ser quebrado se houver intervenção inicial e se as famílias forem apoiadas. Veja mais em Habilitação e Reabilitação Neuropsicológica.

Os últimos estudos apoiam pesquisas do início deste ano que mostram que crianças educadas por mães que providenciam amor e afeto no início da vida são mais inteligentes e têm uma melhor capacidade de aprendizagem.

Pesquisadores da Washington University School of Medicine, St. Louis, descobriram que crianças cujas mães cuidavam delas logo no início da vida têm um maior hipocampo, uma estrutura-chave essencial à aprendizagem, memória e resposta ao stress, de acordo com um estudo publicado na revista Proceedings of the National Academy of Sciences Early Edition.

Traduzido e adaptado de: http://www.medicaldaily.com/chilling-brain-scans-show-impact-mothers-love-childs-brain-size-243328

Voltar

Contactos

Clínica Social de Condeixa-a-Nova
Rua Dona Elsa Sotto Mayor, Edifício Conímbriga (Prédio Amarelo), nº 22, 3150-133, Condeixa-a-Nova

239098982 | 919204240

© 2014 Todos os direitos reservados.

Desenvolvido por Webnode